Grandes Esperanças

22.00 

de Charles Dickens

ISBN: 9789899954281
Editor: E-Primatur
Formato: 15,5×23,5 cm
N.º Páginas: 560
Data: Outubro de 2016
Ilustrações: F. W. Pailthorpe

REF: 9789899954281 Categorias: , Etiquetas: , ,

Descrição

«O horrível e maravilhoso romance de Dickens.» Virginia Woolf
«Romance gótico, história romântica, policial, crítica social, crítica moral, romance de formação; é certamente o mais abrangente dos romances de Dickens.» Angus Wilson

O jovem órfão Philip Pirrip, de todos conhecido por Pip foi criado pela sua irmã que vive com o ferreiro Joe numa pequena povoação perto de Kent em meados do século XIX. Um dia Pip é convidado pela misteriosa Miss Havisham, uma velha senhora propietária da mais rica mas decrépita mansão de todo o condado. A sua missão é ser o companheiro de Estella, a jovem protegida de Miss Havisham mas a realidade é bem diferente do que aparenta: Pip é a mera cobaia para uma Estella que está a ser treinada por Miss Havisham como a derradeira vingança contra todos os homens cujo objectivo é “partir corações”.

«Grandes Esperanças» foi o maior sucesso editorial de Dickens e marcou o imaginário de gerações de leitores. Romance de formação que acompanha o protagonista Pip dos últimos anos da sua infância à idade adulta é também uma obra portentosa sobre as relações entre homens e mulheres e o ódio e o amor que as atravessam; um retrato de uma época e de uma moral que é ainda a nossa; ao mesmo tempo romance de aventuras, história romântica, meditação filosófica sobre os valores que nos regem e, acima de tudo, sobre as esperanças que temos e que de nós têm para o futuro.

«Provavelmente o mais dickensiano dos romances de Dickens. Uma obra que usa o ódio e o amor como combustível.” G. K. Chesterton

«Uma obra que se funda no optimismo.» G. K. Chesterton

«A epítome do pessimismo.” Edmund Wilson

«Foi o maior best-seller da literatura vitoriana e nunca deixou de o ser. A sua influência estende-se ao cinema, ao teatro, à música e à literatura com a mesma força do momento em que viu a luz do dia pela primeira vez. Nenhum leitor hoje, como então, consegue ficar-lhe indiferente.» Peter Ackroyd

«Quando foi publicado em folhetins vendeu mais de 100.000 exemplares por semana. Foi possivelmente a primeira obra de literatura popular do seu tempo admirada pelas massas e pelos eruditos, ou a grande maior parte destes.» Fred Kaplan

«Um romance “inteiro” e genuinamente verdadeiro.» George Bernard Shaw (prémio Nobel de Literatura)

«O primeiro grande exemplo de literatura pós-colonial escrito ainda bem dentro do período colonial. […] As peripécias que constituem a vida de Pip e dos que o rodeiam são uma alegoria complexa e completa de um império em vias de desintegração. […) Pip é o império órfão de si mesmo.» Edward Said

«O maior triunfo da literatura vitoriana. […] Inultrapassável.» John Hillis-Miller

Informação adicional

Peso 0.400 kg