Manuel Cargaleiro – Uma Vida Desenhada

38.00 

de Manuel Cargaleiro,

ISBN: 9789899006812
Edição/Reimpressão: 06-2021
Editor: Documenta
Idioma: Português, Inglês
Dimensões: 213 x 274 x 23 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 208

REF: 9789899006812 Categorias: , , Etiquetas: ,

Descrição

«Principalmente, são formas de alegria e esperança de vida, ilhas de felicidade que Cargaleiro cultiva numa dimensão e persistência que raramente se encontra na produção artística portuguesa; que, de qualquer modo, em nenhum outro artista, se constitui como centro da acção criativa e como eixo de sentido do conjunto da obra.»
[Siza Vieira in Manuel Cargaleiro, Vida e Obra, Museu Cargaleiro]

Este livro foi publicado por ocasião da exposição Uma Vida Desenhada, de Manuel Cargaleiro, com curadoria de João Pinharanda, realizada no Museu Cargaleiro, em Castelo Branco, a partir de 5 de Junho de 2021.

CRÍTICAS

«Este livro lança, a partir do desenho, pontes de interpretação entre todas as dimensões da obra de Manuel Cargaleiro (seja a pintura, sejam as várias dimensões dos seus trabalhos cerâmicos), ou seja, faz-nos entender melhor a génese do seu trabalho mas também os diálogos que estabelece com a tradição dos saberes artesanais e a história da arte do seu tempo, fazendo parte da estratégia de democratização que referimos. Na verdade, estes desenhos necessitarão de ser lidos em paralelo com a restante criação de Manuel Cargaleiro (centenas de outras obras de pintura e cerâmica). Como sabemos, o desenho mantém grande autonomia face às outras expressões na obra de todos os artistas e é como desenhador, na dimensão de liberdade e autoridade que essa disciplina confere, que principalmente o vamos considerar.
Percebemos na sua obra uma constante atenção ao mundo que o rodeia. É uma atitude que caracteriza a sua maneira de ser e Manuel Cargaleiro exprime-a como curiosidade pela natureza, suas formas e seus materiais, seus modelos e possibilidades técnicas de representação — essa leitura dá-nos o essencial do seu procedimento e atitude abrindo a via para as suas criações.»
João Pinharanda