Almas Delirantes – do Telhal a Rilhafoles

12.00 

de Vários,

Douda Correria#100
Almas Delirantes – do Telhal a Rilhafoles
(Poemas, textos, diálogos e cartas estudados pelo Dr. Luiz Cebola/ organização e apresentação por Stefanie Gil Franco/ capa de Nuno Serro Ferreira/ composto por Inês Mateus)

Categorias: , Etiqueta:

Descrição

[Alcoolismo alucinatorio]

— «Hoje, de madrugada, vi a mulher mais feia de Lisboa,
ao pé dum mar todo barrento e com grandes manchas
de sangue. Tambem vi a minha filha que morreu, a voar com um
ramo de louro na mão..»
— Vive satisfeito?
— «Ora! Aonde chego, ha sempre desgraça. Chego a Lisboa,
greve de electricos. Chego ao Telhal, fogo em Sintra. Venho
num comboio, a maquina perde vapor.»
— Gosta de aqui estar?
— Não desgosto…
— Mas, para eu estar em Portugal — só no manicomio ou,
antes, na cervejaria da Trindade.»